lançamentos

Definitivamente empolgante !

17 de novembro de 2019

Em grande estilo Liam Gallagher lança um disco brilhante

Liam Gallagher está aí, mais uma vez, nos brindando com um grande disco de Rock&Roll. Why Me? Why Not não é apenas melhor que seu antecessor, o ótimo As You Were, mas sim é ainda mais relevante  do que a maioria dos álbuns de rock dos últimos tempos. Why Me? Why Not, que traz onze faixas em um lindo vinil verde e três músicas extras na edição deluxe, é daqueles discos que geralmente pegam o ouvinte de primeira. O difícil é parar de escutar esse envolvente álbum.
O novo trabalho do ex-vocalista do Oasis é cheio de alternativas para quem curte a preciosa escola do rock inglês. Um refrão grandioso para cantar junto? Sem problemas, aqui Liam nos oferece vários. Boas melodias? Isso é algo que também é marcante, uma fartura só. São muitas as faixas que comprovam o talento de Liam Gallagher e que farão você pensar em gigantes da cultura pop como David Bowie , Marc Bolan, Paul Weller e Ray Davies, ou, em especial, em John, Paul, George e Ringo.

A música do ano

Liam, que havia debutado com classe em carreira solo, com As You Were, de 2017, passa muito bem pelo famoso teste do segundão. “Now That I’ve Found You “, que está emocionando tanta gente, é mesmo capaz de deixar ainda mais estreita e forte a nossa relação com a música pop. Números assim reforçam a tese do quanto a música pode fazer bem para as nossas almas…
Mesmo em um punhado de grudentas e significativas faixas, podemos destacar  “Halo” como a música do ano. E olha que ”Off My Mind”, de Richard Hawley, também é de arrepiar de tão boa. Mas a forma como o irmão do também magistral Noel consegue em “Halo’’, mesclar uma melodia irresistível com aquela fina agressividade punk e glam é impressionante. Em uma sacada magistral, ‘’Halo’’ traz, em determinado momento, uma espécie de gap pop na cozinha rock com palminhas, flautinhas e backing vocals doces que pipocam ao longo de toda a música com perfeição. Depois volta a ser “nervosa’’, remetendo a Sex Pistols e ao próprio Oasis e ao Beady Eye também. ”Halo” é, de fato, muito marcante. Um primor essa música, que está bem acompanhada, já que outras grandes faixas vão conquistando o ouvinte ao longo do álbum. “Meadow’’ é linda, uma balada com carinha de Harry Nilsson, John Lennon e, principalmente, George Harrison. ‘’Shockwave’’ abre o disco mostrando o quanto Liam Gallagher é atento às boas texturas roqueiras. O resultado é mais uma excelente música, que já nasce com ‘’gosto’’ de clássico assinada por um Gallagher.
Os vocais de Liam seguem muito bem obrigado. A voz do cantor de quarenta e sete anos é uma das mais marcantes da história do rock. Sensacionais hits do Oasis  que estão registrados no inconsciente coletivo, como ‘’Live Forever’’ e ‘’Wonderwall’’, não me deixam mentir. Falando em hits, ‘’Once’’ é a maravilhosa canção que vai fazer multidões cantarem com braços erguidos nesta turnê de Liam Gallagher.
Nesse discaço, Liam contou com sua ótima banda e com a colaboração luxuosa de nomes como Greg Curstin e Andrew Wyatt.

artigo publicado por popmix
tags

Miles Kane está em todas!

26 de outubro de 2019

Músico lança single, roupas com a Fred Perry e vai abrir shows de Liam Gallagher

Por Vitor Diniz – Imagem / Divulgação Facebook Oficial

O cantor e guitarrista Miles Kane parece estar mesmo vivendo um momento mágico. O inglês, de trinta e três anos, não para de trabalhar e está às voltas com o lançamento de um festejado single, uma coleção de roupas junto à seminal grife britânica Fred Perry e ainda vai abrir alguns concertos da nova turnê de Liam Gallagher! Ufa! Miles Kane é, de fato, um dos mais talentosos e intrépidos músicos que a Inglaterra produziu nas últimas décadas.

Já escutou a sua nova faixa? Vale muito dedicar cerca de três minutos à irresistível ”Blame It On The Summertime”, e sair pelas ruas com sua cativante melodia na cabeça. Esse novo single conta com um clipe produzido por Charlie Lightening, que pode ser conferido no canal oficial do músico, no YouTube. A faixa tem tudo para fazer bonito nas próximas apresentações de Kane.

Ele também vai fazer shows com Liam Gallagher, no Reino Unido e na Irlanda, ainda esse ano, no embalo do lançamento de Why Me? Why Not, o maravilhoso e obrigatório segundo álbum do ex-vocalista do Oasis.

Miles, que também é ótimo nos palcos, fez um dos melhores shows que eu já pude assistir de perto. A atuação inesquecível aconteceu em Manchester, de forma empolgante, em 2013. (Leia matéria publicada no Popmix, através do link relacionado abaixo).

Imagem : Divulgação / Facebook Oficial

                      Kane&Weller

Miles Kane, com sua pegada Mod, também é referência de estilo e está à frente de uma linha incrível de roupas da Fred Perry . Nesse projeto, conta com a participação de luxo de Dylan Weller. A moça, que é fashion stylist hypada no eixo Londres/Los Angeles, é filha do mestre Paul Weller, com quem Miles já fez uma campanha para John Varvatos, entre outros trabalhos. Dylan estampa inclusive lindas fotos ao lado de Kane no site da Fred Perry. Estas peças de roupas, já nascem com jeito de hits entre os fashionistas atentos.

          Fora do Reino Unido, muitos passaram a conhecer Kane na onda do The Last Shadow Puppets, duo que ele e Alex Turner do Arctic Monkeys criaram. O The Last Shadow Puppets conta com dois excelentes álbuns. Não deixe de escutar ambos! Contudo, antes nosso personagem foi vocalista e guitarrista do Tha Rascals e com a banda lançou em 2008 Rascalize, um disco bem indicado para quem não vive sem Rock&Roll. 

          E se eu não resisti ao mencionar acima o show do cantor realizado em novembro de 2013, afirmo que uma das grandes dobradinhas que já presenciei, Miles Kane também esteve envolvido. Ele fez uma participação no show do sempre genial Paul Weller, em Londres, quando o Modfather lançou o disco Sonic Kicks. 

          O texto e as fotos referentes a essa noite, que data de 2012, estão também relacionados em um dos links abaixo. Fica a torcida para que o músico apareça no Brasil em 2020. Kane tocou em São Paulo, no Cultura Inglesa Festival de 2011. Já está na hora de nos fazer outra visita.

+ Assista ao novo clipe de Miles Kane

+ Miles Kane faz grande show em Manchester

+ Miles Kane toca com Paul Weller em Londres

artigo publicado por popmix
tags

Os melhores do ano

10 de janeiro de 2019

A lista do Popmix e seus dez discos da cena internacional em 2018.

 

1-Miles Kane/Coup de Grace

 

 

2-Sunflower Bean/Twentytwo In Blue

 

 

3-Paul Weller/True Meanings

 

 

4-We Are Scientisties/Megaplex

 

 

5-Paul McCartney/Egypt Station

 

 

6-Goat Girl/Goat Girl

 

 

7-Jack White/Boarding House Reach

 

 

8-Arctic Monkeys/Tranquility Base Hotel + Casino

 

 

9-Courtney Barnett/Tell Me How You Really Feel

 

10-Elvis Costello&The Imposters

 

 

+Os melhores de 2017

+Os Melhores de 216

 

artigo publicado por popmix
tags

Encontro com a fumaça

19 de julho de 2018

Blackberry Smoke amadurece e muda um pouco de estilo

Blackberry Smoke LP

Foto:Facebook Oficial

Por Rodrigo Bastos Sant’Ana

 

Blackberry Smoke têm algo sobre rock’n roll que muitas das bandas atuais não sabem do que se trata. Talvez pelo fato de fazerem um rock de conteúdo, semelhante ao de artistas de outras gerações. Em seu novo álbum, “Find a Light”, o sexto da carreira, a banda liderada pelo vocalista e guitarrista Charlie Starr muda um pouco a estrutura de suas canções e apresenta um repertório com melodias mais elaboradas e refrões menos “pegajosos”; sua característica mais marcante. O disco começa com “Flesh and Bone”, um heavy blues que mostra como a voz de Charlie soa bem nas gravações. Um timbre tão distinto quanto o de Caleb Followill do Kings of Leon. Mas o som da banda vai mais na direção do country-rock com uma dosagem certeira de hard-rock.

Esse bando de cabeludos e barbudos de Atlanta, nos EUA, representam a nova geração do southern-rock e se orgulham da amizade com bandas que os influenciaram como os Black Crowes e o Lynyrd Skynyrd, os quais já abriram shows. “Lord Strike me Dead” lembra bastante seus conterrâneos Crowes da fase “Three Snakes and One Charm” (1996) começa com uma percussão e logo chega ao chorus com os tradicionais baking vocals femininos: “Lord, Lord These children have gone crazy/ Lord, Lord Please come down and save me”. Uma das canções-chave é “Medicate my Mind” que traz os melhores versos do disco, “I´m a stranger to this world/ But I keep on growin’”.

Este pode não ser um disco tão bom quanto “Little Piece of Dixie” de 2009 mas tem um punhado de boas canções como “Till the Whells Fall Off”, “Run Away from it All” e “Best Seat in the House” um rock para os melhores dias ensolarados. “I Keep Ramblin’” tem longo fraseado de guitarra que arremete, como o nome diz, a “Ramblin’ Man” dos Allman Brothers e traz participação do lap stealer Robert Randolph. Resta ainda “Mothern Mountain” um folk com harmonias vocais no estilo Crosby, Stills & Nash com participação dos Wood Brothers.

artigo publicado por popmix
tags

Franz Ferdinand acerta outra vez!

1 de abril de 2018

 Banda de Glasgow coloca mais um ótimo disco no mercado

FranzFerdinand-AlwaysAscending

 

A discografia do Franz Ferdinand está feliz. Acaba de chegar mais um ótimo trabalho. Always Ascending conta com dez faixas em cerca de quarenta minutos e já está bem acomodado na prateleira do grupo escocês ao lado de seus pares.

Apesar de ser muito bom e de ir direto ao ponto, o álbum não consegue a indigesta façanha de desbancar os dois primeiros e cultuados discos da trupe de Alex Kapranos e cia. Mas Always Ascending dá tranquilamente conta do recado e mantém o padrão Franz Ferdinand que conhecemos, ficando super confortável em sua respeitada discografia.

        Always Ascending conta com uma das melhores introduções de um álbum dos últimos tempos, já que a faixa que abre a obra e que dá nome ao disco, traz uma lindíssima abertura com backing vocals que podem emocionar até os fãs dos Beach Boys, quem sabe, para depois encontrar aquela pegada meio pós-punk, meio rock&disco, que tanto encharca de classe o som destes impagáveis escoceses.

 

Fazendo muita pista indie ferver

A voz de Kapranos aparece bem em todo o disco e ”Lazy Boy” oferece aquela levada irresistível que o Franz Ferdinand faz muito bem com guitarras deliciosas e insinuantes. E ”Papers Cages” ? Essa, por sua vez, já começa marcante e grudenta. ”Feel the Love Go” é dançante como outras do álbum, mas carrega um frescor ímpar e já deve estar fazendo muita pista indie ferver pelo mundo todo. ”The Academy Award”, é uma gracinha pop, linda e que parece até ter vindo do lado B da maravilhosa ”Eleanor Put Your Boots On”, lançada em 2005.Essa obrigatória balada está registrada no segundo grito da banda, You Cold Have It So Much Better, que, ao lado de seu antecessor autointitulado e que data de 2004, está entre os melhores álbuns daquela década.

Com este que é seu quinto disco, o Franz Ferdinand mostra que segue numa direção coesa, alternando sua pilha roqueira e dançante com momentos de lírismo e sempre com perspectivas de crescer muito no palco.

Ao vivo, o grupo de Glasgow costuma ser contagiante como já constatamos algumas vezes no Brasil. Tomara que a saída da banda do baixista Nick McCarthy não tire em nada a vibração dos caras ao vivo. Lembremos que ele formava uma dupla azeitada com Kapranos. As imagens impressionantes do grupo tocando ” The Dark Of The Matinée”,

que fazem parte do DVD Glastonburny Anthems( The Best of Glastonburny 1994-2004), entregam a vocação da banda para os palcos. A sorte é que Alex Kapranos parece estar bem acompanhado com seu grupo, que agora é um quinteto.

 

.

+Franz Ferdinand no Rio em 2010

 

artigo publicado por popmix
tags

Liam Gallagher e seu belo disco!

25 de outubro de 2017

Debutando em carreira solo, ex-vocalista do Oasis lança ótimo álbum de rock

liam_gallagher_as_you_were (2)

 

“As You Were” que marca a estreia de Liam Gallagher como artista solo é brilhante e consegue superar até mesmo o inspiradíssimo primeiro registro de seu irmão Noel Gallagher, que ocorreu com o álbum Noel Gallagher’s High Flying Birds, e que data de 2011.
Noel, por sua vez, vai colocar no mercado seu terceiro disco no final de novembro, mas Liam, que está no topo das paradas este ano, chegou a lançar dois discos muito bons com o Beady Eye, em 2011(Differente Gear, Still Speeding) e em 2013 ( Be) . Infelizmente, como a banda de certa forma não decolou, estes álbuns que não superam com certeza As You Were, não foram acionados como mereciam.
Já “estouradaço” em vendas com todos os méritos, “As You Were” reforça o pensamento de que o astuto ex-vocalista do Oasis é um dos grandes cantores de rock do planeta.
Com seu vocal intenso, Liam sempre nos permite fazer certos ”percursos” pelas ruas e pubs do Reino Unido, mesmo que não esteja necessariamente cantando sobre temas assim. Afinal, a voz dele ficou conhecida nos anos 1990, como um dos símbolos da era Britpop.
No clipe de ”Chinatown”, uma das grandes baladas deste álbum, por exemplo, Liam aparece dando um giro por Londres. ”Wall of Glass”, que abre o disco, é impactante, cheira muito bem a blues e contém todo o vigor que uma faixa de rock merece. Seu compacto lançado antes do disco cheio, já mostrava a força da música em vinil, formato aliás que “As You Were” está também arrebentando nas lojas do UK. O disco chegou fácil ao primeiro lugar das paradas.
Uma edição de luxo, com o LP branco e vários outros ítens, é o ”Têm Que Ter” da vez entre os colecionadores e fãs do gênero. Nas baladas como as sedutoras “Peper Crown”, ”For What It’s Worth”, ”Universal Gleam” e a própria ”Chinatown”, Liam oferece aos ouvintes lindas melodias.

Rock&Roll Star

O Gallagher mais novo também acerta em cheio em rocks poderosos e empolgantes que entregam uma boa veia punk e também soul. Faixas que te darão vontade de aumentar o volume e que olham para clássicos dos anos 1960 e 1970 sem deixar de soarem atuais. São os casos das irresistíveis ”Come Back To Me”, ”You Better Run” e, especialmente, de ”Greedy Soul”. Liam já havia mostrado que os backing vocals femininos funcionam muito bem em seu trabalho com ” Bring The Light” , lançada em 2011 pelo Beady Eye.
Como Paul Weller fez também em sua estreia solo, Liam aposta numa foto de capa com seu rosto em destaque no melhor estilo John Lennon ou Paul McCartney, em McCartney 2, talvez. Algo que reforça a idéia de artista individual. E se a voz do irmão de Noel sempre lembrou a de Lennon, em “As You Were” esta semelhança parece ainda maior. E sobre a capa em questão, a autoria é de Hedi Slimane, badalado fotógrafo e estilista francês. A parceria de Liam com o produtor Greg Kurstin parece também fundamental para “As You Were” já ter se tornado um projeto tão vitorioso. Com uma banda muito competente a seu lado, o sempre estiloso Liam ”Pretty Green” Gallagher está fazendo grandes shows pelo mundo e no Brasil irá se apresentar em São Paulo, em março, no Lollapalooza. Sorte a nossa!

artigo publicado por popmix
tags

Disco Vermelho

24 de julho de 2016

Ocean Colour Scene relança álbum fundamental

Ocean_Colour_Scene_Moseley_Shoals-500x500

Lançado em 1996, Moseley Shoals é um dos discos mais inspirados daquela década, que tanto ficou simbolizada pelo Britpop. O álbum, que agora acaba de ganhar uma edição comemorativa de 20 anos, é o segundo da pomposa banda Ocean Colour Scene. Formado em 1989,  na cidade inglesa de Birmingham, o grupo do super-guitarrista Steve Cradock  não fez tanto sucesso quando debutou em 1992, com um álbum que levava o nome da banda. Uma pena, pois trata-se de um ótimo trabalho, com direito a uma instigante cover de ”Do Yourself a Favor”, de Stevie Wonder. Mas, corrigindo qualquer injustiça, Moseley Shoals chegou às lojas do Reino Unido em 1996, para colocar, com toda a sua  força , seus autores em um respeitável patamar. Mais convidativo que seu antecessor, Moseley Shoals teve como facilitador mercadológico o então boom do rock inglês, que se encontrava a mil, com o estouro do Britpop, capitaneado por Oasis, Blur, Pulp, Verve e etc. Nesta edição, lançada no Record Store Day, o álbum duplo traz as duas bolachas vermelhas (assista ao vídeo abaixo que produzimos com a TV Zoom), e com um som que, por sinal, está maravilhoso. As guitarras de Cradock fazem a diferença e são marcantes nos riffs de ”Riverboat Song”, que abre, de forma roqueira e apoteótica, o álbum. A voz de Simon Fowler faz a bela condução por um dos passeios mais doces do indie/pop em ”The Day We Caught The Train” , a segunda faixa. Já a grudenta ”The Circle” fecha bem o Lado A do primeiro dos quatro lados vermelhos e seu clipe, com estilo mod, merece ser também apreciado. Lembremos que entre os vídeos da banda nada se compara ao clipe de ”Up on the Downside”. A música, que está em Mechanical Wonder, de 2001, por sua vez, é uma das melhores faixas que o Ocean Colour Scene já gravou.

 

Sonoridade marcante

Mas, voltando à Moseley Shoals, encontramos nele todos os sabores que um clássico deve conter e ”It´s My Shadow”, com a guitarra de Cradock mostrando que nasceu para a voz de Fowler é outro bom motivo para reiterar esta tese. Além do guitarrista e do vocalista, também marcaram muito a sonoridade do Ocean Colour Scene, outros dois músicos de mãos cheias: o baterista Oscar Harrison e o baixista Damon Minchella. Atualmente o grupo está em digressão, justamente com um espetáculo que celebra os vinte anos de Moseley Shoals e, até o final de 2016, vai se apresentar em várias cidades britânicas.

Em 2011, uma edição de luxo do disco foi lançada em cd com três peças, com B-sides e outros takes. Mas o prazer de escutar esta nova edição dupla com seus lindos vinis vermelhos que charmosamente estão ”recheados” com a esperta logo (uma das grandes sacadas do O.C.S é a graça de sua bela marca!) da banda, pode ser bem maior. Com as vendas altamente expressivas deste disco na época, estes ingleses, que lembram  Small Faces e Traffic, se tornaram uma das grandes bandas do rock inglês.

.

+ Confira a discografia comentada do Ocean Colour Scene

artigo publicado por popmix
tags

Coming Home

12 de abril de 2016

Disco de Leon Bridges é um dos melhores dos últimos tempos
.

 O americano Leon Bridges lançou, em 2015, o álbum Coming Home, com dez  faixas que passeiam bonito pela musica pop, dialogando com várias tendências como soul e blues por exemplo. O músico de vinte e sete anos, que nasceu em Atlanta, colocou seu début entre os melhores álbuns do ano passado. Coming Home foi super-festejado pela mídia especializada.

Lançado pela Columbia Records, o disco de capa vermelha e que traz dez ótimos números  foi destaque no  Drops da TV Zoom (www.tvzoom.com.br), como mostra o video abaixo. Músicas como ”Smooth Sailin”, ”Better Man” e a faixa-título já valem o investimento neste belo LP.

Os dez melhores álbuns de 2015

artigo publicado por popmix
tags

O Spitfires e seu clipe

25 de março de 2016

Grupo de Billy Sullivan lança single em grande estilo.

 

Uma das mais interessantes bandas da nova geração inglesa acaba de lançar mais um clipe. O Spitfires, grupo de Watford com grandes referências a cultura mod, divulgou recentemente o vídeo da música ”So Long”. A faixa vai fazer parte do novo compacto da banda do vocalista Billy Sullivan, que será lançado no primeiro dia de abril. O single com o mesmo nome da canção vai chegar ao mercado em vinil de sete polegadas, em uma edição limitada e em formato digital. A Rough Trade, a Piccadilly Records de Manchester, entre outras lojas, já estão aceitando encomendas do vinilzinho de capa rosada, que também pode ser reservado pelo site www.thespitfires.org. Assista ao clipe de “So Long”, atráves da página oficial do The Spitfires, no Youtube, clicando aqui.

O Popmix esteve no lançamento em Londres de Response, álbum de estreia do quarteto, realizado no 1OO Club. Leia a matéria completa sobre o show, que aconteceu em setembro de 2015, no link abaixo.

+ The Spitfires no 100 Club em Londres
+ The Spitfires no 100 Club em Londres (versão mobile)

artigo publicado por popmix
tags

Cine Tindersticks

16 de março de 2016

A classe do grupo de Nottingham em mais um disco certeiro

Ainda estamos longe de dezembro neste 2016, mas já podemos imaginar alguns dos discos que estarão nas listas de melhores do ano, aquelas tradicionais que circulam no final de cada temporada. O Tindersticks, por exemplo, ”anuncia”, com o seu recém-lançado  The Waiting Room, que provavelmente estará nestas tais listas.

O cativante álbum, que é o décimo da banda de Nottingham, é mais uma ótima oportunidade para se conhecer o trabalho destes categóricos ingleses, que costumam estar nas prateleiras de indie rock ou pop alternativo, mas que podem deixar muitos fãs de jazz felizes também. A faixa ”Help Yourself” reforça essa tese. Em 2012, acompanhei um show do Tindersticks, em Zurique (leia matéria no link abaixo), e pude constatar que a voz classuda de Stuart Staples ao vivo é muito fiel a que está registrada nos álbuns. Foi algo especial, pois se trata de um cantor brilhante, como esse novo disco entrega mais uma vez.

 

Com Jehnny Beth e Lhasa de Sela

Na emocionante ”Hey Lucinda”, Staples faz um belo dueto com Lhasa de Sela, que faleceu em 2010, aos trinta e sete anos, vítima de um câncer de mama. Em 2003, Stuart e Lhasa já haviam feito outra lindíssima dobradinha na soberba ”Sometimes In Hurts”, que está no álbum Waiting For The Moon. Já na intensa ”We Are a Dreamers!”, a participação é da hypada vocalista do Savages, Jehnny Beth. Cada faixa deste trabalho ganhou um vídeo, um curta-metragem, que juntos formam um filme de cerca de cinquenta e um minutos, que pode ser visto através do site oficial da banda (www.tindersticks.co.uk). Vários diretores participam do projeto e, entre eles, o brasileiro Daniel Sanna. A capa é assinada por Richard Dumas, que já fotografou Kate Moss e Jarvis Cocker, entre outros astros. Com este disco, os Tindersticks mostram mais uma vez porque são tão respeitados há tanto tempo.

 

+ Popmix confere show do Tindersticks na Suíça

Savages lança novo disco

artigo publicado por popmix
tags