Se liga no Spinn!

2 de agosto de 2020

Foto oficial: Facebook Spinn

Banda de Liverpool lança mais um single e faz bonito!

Por: Vitor Diniz

Ao lado de nomes como o da cantora Jade Bird e do Sports Team, o Spinn é, sem dúvida, uma das grandes apostas da nova geração britânica. O super jovem quarteto de Liverpool representa a cena da cidade dos Beatles e do campeão inglês de futebol com muita categoria e com um senso pop dos mais apurados.
Essa irresistível banda, que o Popmix conferiu ao vivo no final de 2019, no King Tut’s, em Glasgow, lançou recentemente mais um single pra lá de empolgante. “Stuck On A Feeling”, com suas contundentes linhas de baixo, é daquelas músicas que mostram que o Spinn veio mesmo para ficar. Com seu grudento, irresistível e autointitulado disco de estreia, lançado em 2019 pelo selo Modern Sky UK e que conta com onze faixas, o grupo conquistou fãs no Reino Unido e no Japão, entre outras praças. “Believe It Or Not” ,que abre o álbum, é uma jóia pop. Com jeitão de hit mundial, a toda sedutora “Believe It Or Not” é uma das músicas mais dançantes que o indie britânico produziu desde “Still On Fire” lançada pelo Aztec Camera, em 1984 .


Foto: Vitor Diniz

E se não fosse por essa pandemia terrível que abala o mundo, os meninos poderiam estar ainda mais hypados com uma sequência maior de trabalho. Ao vivo, a banda é mesmo muito competente, e a elogiada participação do quarteto no Reading Festival em 2019, também ratifica essa afirmação.

Lembrando o Spinn na Escócia

Melhor que ter visto no ano passado um show do Spinn foi ter feito isso no famoso King Tut’s Wah Wah Hut, em Glasgow. Foi nessa seminal casa que o mestre Alan McGee, da Creation Records, agora com a Creation 23, encontrou o Oasis e aí surgiam os primeiros capítulos de uma das mais importantes trajetórias do rock. Com toda essa atmosfera Britpop do local, que fica na região central da apaixonante e extremamente musical cidade de Glasgow, vimos o Spinn em noite impagável no mês de novembro. Assim como seu LP, o show da banda naquela noite de 2019 foi uma delícia de ser conferido e rolou fácil, pois todas as faixas são cativantes. O vocalista Johnny Quinn esbanja carisma e sua sintonia com uma galera bem nova que lotava a casa era visível. Por sinal a moçada pulava muito e o piso do King Tut’s vibrava, conferindo uma sensação bacana de euforia indie inesquecível. Que garotada fashion/rock&roll incrível, cheia de fibra e que deve estar sentindo muita falta de um show daqueles.


Foto: Vitor Diniz

Johnny parece seguir a melhor escola do rock inglês e sua grande postura de palco remete a icônicos vocalistas como Jarvis Cocker, Brett Anderson e principalmente Morrisey! Em um determinado momento flores foram atiradas do palco. Já da guitarra do ótimo Andy Power saem riffs com ”sabor” de John Squire e Johnny Marr. E as já citadas linhas de baixo? Sean McLachlan é um arraso com seu instrumento, muito talentoso assim como Louis O’ Reilly na bateria. E como deve ser, assim que encerraram o último acorde da apresentação, desceram do palco e correram para a lojinha da banda. Deram autógrafos, tiraram fotos com seus fãs e ainda assinaram o vinil de um certo jornalista brasileiro. Não é toa que o King Tut’s é um espaço cultuado do rock mundial.
 

artigo publicado por popmix
tags